JUNTOS NA SANTIFICAÇÃO

...à igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados para ser santos com todos os que em todos os lugares invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso.  1Co 1.2.

Quem conhece o conteúdo da carta que Paulo endereçou aos cristãos de Corinto talvez estranhe que ele os tenha saudado como: santificados. Partidarismo, indisciplina, controvérsias, discriminação... a lista de atitudes censuráveis não é pequena. Mesmo assim, eles eram santificados e chamados para ser santos.

A santificação, inicialmente, tem a ver com a inserção em Cristo Jesus. Quem está em Cristo é separado. Quem recebeu o selo (a marca) do Espírito é dele. Tal condição o diferencia dos que não reconhecem o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Arrependimento, fé, confissão, purificação, adoção, regeneração... Tanta coisa acontece simultaneamente na vida de alguém que se encontra com Cristo, condensadas no conceito de santificação.

O apóstolo também entendia a santidade como processo iniciado na conversão do indivíduo a Cristo, desenvolvido pela ação contínua do Espírito Santo na comunidade de fé, em harmonia com a ação de Deus em toda a cristandade: todos que em todos os lugares invocam o nome.

A santidade também é uma vocação, um chamado. Mas não exclusivo ou individual. A igreja, como corpo de Cristo, manifesta em toda a terra a glória, a justiça, a graça, o poder, todos os atributos e bênçãos que estão disponíveis em Jesus. Sal da terra e luz do mundo são metáforas associadas ao caráter santo que a igreja manifesta a humanidade que se degrada por estar nas trevas da ignorância. A igreja santifica o mundo da mesma forma que a mulher santa santifica o marido incrédulo, ou o marido crente santifica a esposa descrente (1Co 7.14).

A percepção individualista da santidade gera arrogância, soberba, sectarismo. Quem se isola em esforço exclusivista de santidade, cedo ou tarde cairá em legalismo ou esgotamento. A vocação para a santidade pertence à igreja, o corpo de Cristo, formado por gente de diferentes etnias e nações, falantes de diversas línguas e dialetos, expressando-se em épocas e lugares distintos com diversidade de costumes, valores e cultura. A santidade nos faz um patrimônio comum do Senhor da igreja.

Como disse Paulo: Senhor deles e nosso.

Somos todos dele. Por ele. Para ele. Estamos nele.