A Igreja e Os Estrangeiros

Estamos vivendo um momento singular em nossa história. Nunca antes vimos um movimento migratório tão grande. São milhares e milhares de pessoas que todos os dias deixam suas casas, suas famílias, suas vidas e histórias para trás, fugindo muitas vezes de conflitos civis, guerras e também de perseguições religiosas.

Atualmente, há mais de 65 milhões de pessoas que foram forçadas a deixar suas casas. A cada semana, cerca de 2.000 pessoas chegam na Europa vindas especialmente do norte da África e do Oriente Médio. Somente nas três primeiras semanas de outubro do ano passado, 3.000 migrantes desembarcaram na Itália vindos da Líbia.

O livro de Deuteronômio nos fala sobre os imigrantes. No capítulo 10, dos versos 18 ao 20, vemos o autor dizendo ao povo de Israel que eles deveriam amar e ajudar os estrangeiros.
Deus nos chama a amar o estrangeiro. Ele ama e defende a causa do estrangeiro, assim como Ele faz a viúva e a órfã. Ele ordenou ao povo de Israel que amassem o estrangeiro que vivia entre eles porque eles mesmos já haviam sido estrangeiros no Egito.

Deus sempre amou e teve uma atenção especial com o estrangeiro, de fato, a maioria das pessoas de destaque no antigo testamento eram pessoas que deixaram sua terra natal para viver em outro lugar. Numa pesquisa rápida veremos pessoas que deixaram sua pátria pelo comando de Deus ou foram perseguidas:

Adão, Eva, Caim, Noé, Sem, Cam, Jafé, Abraão, Sara, Ló, Agar, Ismael, Isaque, Rebeca, Jacó, José e os irmãos de José. E isso apenas em Gênesis. A Bíblia está cheia de pessoas que deixaram sua pátria e Deus sempre os amou.

Na maioria das vezes, na Bíblia, quando fala sobre cuidar das viúvas e dos órfãos, também fala sobre o estrangeiro. Eles fazem parte da lista dos desfavorecidos que o Senhor ordenou a Israel cuidar.

Israel que foi criada por Deus para seu povo e onde ele deveria reinar, foi criada para ser um lugar onde o estrangeiro deveria ser acolhido. Nos dias de hoje nós chamamos esses estrangeiros de imigrantes, refugiados ou ainda de diáspora, mas a responsabilidade do povo de Deus em cuidar, apoiar e acolher continua sendo bíblica e nós como igreja de Cristo temos essa tarefa.

Atualmente nossos imigrantes são classificados em pelo menos 3 ramos principais:
Imigrantes financeiros – Aqueles que saem para o mercado de trabalho em busca de uma condição de vida melhor para si e para suas famílias. Eles podem ser inclusive grandes executivos que periodicamente são enviados por suas empresas para diferentes trabalhos em diferentes regiões.
Refugiados e requerentes de asilo – São os quais temos mais informações. Eles estão saindo de seus países por conta de conflitos e/ou perseguições e buscam lugares onde podem recomeçar suas vidas.
Estudantes internacionais – Este é um grupo cada vez mais crescente em todo o mundo, incluindo no Brasil. Com a globalização, o número de pessoas buscando o aperfeiçoamento acadêmico em diferentes países aumenta a cada dia.

Em nossa área ministerial com africanos, temos percebido um aumento significativo de imigrantes de várias nações africanas somando os números da atual crise migratória e temos nos sentido impulsionados a ajudar os necessitados e a compartilhar o Evangelho com eles enquanto recomeçam no seus novos lares.

Os especialistas dizem que esse tipo de migração não acontece desde o final da Segunda Guerra Mundial e deverá continuar nos próximos 40 anos
Outra estatística interessante é de que a África é o único continente que está experimentando crescimento populacional. Em 2050, 25% da população mundial será nascida na África e isso com certeza fará com que o movimento migratório para outras partes do mundo aumente ainda mais.

Parte da nossa estratégia de alcance e ajuda à estas pessoas é feita a partir de uma ação muito simples. A primeira ação que temos é buscar de uma pessoa de paz, como nos ensina Lucas (10.6), em seguida queremos ouvir suas histórias e depois queremos contar nossas histórias, incluindo a de como nos encontramos com Jesus. E por fim queremos contar à eles a história de Deus, de como de Ele os amou ao ponto de dar seu próprio filho para nos salvar.
Com isso, também estamos ajudando em suas necessidades, com consultas médicas, aprendizado de língua, qualificação profissional, entre outros.

Uma das perguntas que as pessoas me fazem é: Como compartilhamos o evangelho com tantas pessoas de países tão diferentes, com diferentes línguas? Nós usamos toda a tecnologia disponível a nosso favor. Usamos aplicativos no celular! Usamos muito o Google tradutor. Usamos um aplicativo chamado Kolo, que tem o filme de Jesus em uma centena de idiomas. Você abre o aplicativo, pesquisa o país de onde eles são e, em seguida, tem o filme sobre a vida de Jesus na língua do seu novo amigo ou amiga.

O Brasil tem sido um dos destinos de muitos imigrantes, e a igreja precisa discutir sobre como podemos aumentar e expandir o trabalho entre a diáspora no Brasil. Em uma pesquisa rápida sobre imigração no Brasil, você perceberá um grande potencial ministerial para a igreja.

Deus está fazendo um trabalho incrível no mundo de hoje. Muitos estrangeiros que estão vindo ao Brasil, não tem acesso ou não conhecem o evangelho de Cristo e precisamos alcançá-los com a palavra de salvação.

Ore para que Deus lhe de a oportunidade de se encontrar com um imigrante, ouvir sua história, contar a eles a sua história de vida e como você conheceu a Cristo, e acima de tudo conte a eles a história de como Deus amou o mundo e a eles ao ponto de entregar seu único filho.

Paulo Feniman
Presidente da AMTB - Associação de Missões Transculturais Brasileira

Fonte: feniman.com.br